Roleta da vida : Villa Ramadas
VillaRamadas

Roleta da vida

O que deveria ser uma forma de entretenimento pode mesmo destruir vidas e foi por isso que decidi dar o meu testemunho.

Nunca fui pessoa de jogar, nem o meu marido. A única coisa em que jogávamos era no Totoloto, mas isso é uma coisa que grande parte da população faz. Entretanto o meu marido foi trabalhar para o bar de um casino.

Se havia vício que eu sempre receei que ele apanhasse era o do álcool, mas como já trabalhava como barman há tantos anos e nunca tinha entrado por esse caminho, estava tranquila. Mal sonhava eu o que iria acontecer.

Primeiro começou por chegar cada vez mais tarde a casa. Depois passava o dia a dormir e se alguém o incomodava, refilava com todos e chegou mesmo a ser violento comigo e com o nosso filho de quatro anos. De vez em quando desapareciam avultados valores da conta bancária e quando o interrogava, inventava sempre uma desculpa: ou era para o carro ou era para algum seguro… Enfim, tudo desculpas nas quais eu acreditava de início, mas que depressa percebi que escondiam algo.

A conta poupança ficou a zero, começaram a aparecer cartas de créditos, o nosso carro que era recente, foi trocado por um muito pior. A desculpa aqui era que não lhe andavam a pagar o ordenado. O tempo ia passando e eu cada vez mais desconfiada. O ouro em casa desaparecia, assim como todas as peças boas que tinha e os electrodomésticos. Como ele não me dizia nada, simplesmente refilava comigo a todo o momento e já eram poucos os períodos em que estava em casa, um dia decidi surpreendê-lo no casino, depois do expediente dele.

O que eu suspeitava há algum tempo era verdade: o meu marido andava viciado no jogo, principalmente nos jogos de roleta.

Completamente descontrolado quis bater-me, mas os colegas detiveram-no. Quando se acalmou, percebeu a gravidade da situação. Eu ameacei sair de casa e levar o nosso filho. A partir daí, a atitude dele mudou e foi ele próprio que decidiu entrar em tratamento.

Foram meses difíceis, principalmente quando ele vinha a casa, porque eu temia sempre que tivesse uma recaída, mas a verdade é que seguiu tudo à regra. Quatro anos passados, a nossa relação está melhor do que nunca. Ele arranjou um novo emprego e entretanto tivemos mais um filho.

Com tudo isto, percebemos que o amor que nos une é muito forte, mas foi graças a VillaRamadas que teve uma segunda oportunidade. Nós ainda fomos a tempo, mas você pode não ir, por isso mesmo, procure logo ajuda aos primeiros sinais de dependência do jogo.

É que no jogo da vida, é você que faz o seu trajecto e decide o rumo a tomar.

Anabela Antunes

Outros testemunhos Jogo

Tratamento Jogo


Google Plus VillaRamadas