Trabalhar 24 horas : Villa Ramadas
VillaRamadas

Trabalhar 24 horas

Sou um rapaz solteiro de 35 anos que está há um ano em recuperação da dependência de trabalho. Isto pode parecer uma doença moderna, mas a verdade é que cada vez mais, existem jovens a padecer desta doença, só que poucos são os que têm coragem para o assumir.

Desde cedo que os meus pais me ensinaram que era com os estudos que poderia ter um bom futuro. Só assim conseguiria um bom emprego e ser reconhecido socialmente. O que não me ensinaram é que reconhecimento social não é nada, se para isso tivermos de abdicar de outras coisas importantes, como por exemplo, ter uma relação amorosa.

Só quando perdi aquele que considero ter sido o meu grande amor é que percebi que era hora de mudar de vida, repensar prioridades e perceber o que me fazia feliz de verdade.

Porém, quando fiz esta reflexão, já era tarde demais e já não consegui recuperar a relação. Formei-me com distinção e com 26 anos já era um promissor advogado. Como sempre fui bom aluno, consegui estagiar numa das melhores empresas de advocacia do país e depressa fui subindo, aos 30 anos já era sócio. A minha família andava orgulhosa, mas quem não estava muito satisfeita com esta situação era a minha namorada (começamos a namorar quando eu tinha 20 anos).

Ela sempre me apoiou, até que as brigas começaram. Ela alegava que eu me estava a tornar dependente do trabalho, sem tempo para a relação e que não queria a seu lado uma pessoa assim. Conseguia sempre acalmá-la e não tentava fazer nada para mudar a situação. Chegava a trabalhar 20 horas por dia, vindo apenas a casa trocar de roupa e tomar um duche rápido.

Depois tinha viagens constantes para fora do país. O tempo juntos era nulo e o sonho de casar e ter filhos estava cada vez mais adiado. Como era tão raro estarmos juntos, quando tínhamos tempo, parecíamos dois estranhos…

Farta de toda esta situação saiu de casa e pediu para me tratar. Foi um choque quando cheguei a casa e não estava lá nada dela. Percebi que precisava de ajuda e foi assim que este centro de tratamento me ajudou. Fiz uma pausa no trabalho e no regresso impus limites. Será que vale perder um amor por reconhecimento profissional? Na altura não entendi, mas hoje vejo que não, principalmente quando após um dia de trabalho regresso à minha casa vazia.

Este centro foi a minha salvação e acredito que com as ferramentas que me deram, ainda vou muito a tempo de ser feliz…

Salvador, Lisboa

Outros testemunhos Outros

Tratamento Outros


Google Plus VillaRamadas